O Quarto do Felino

Ancestral do Gato Doméstico Julho 10, 2007

Filed under: Curiosidades — Raquel @ 12:03 am

A linhagem dos gatos domésticos foi seguida até um antigo ancestral cujos parentes ainda vivem nos desertos do Oriente Médio hoje em dia. A metamorfose do feroz predador num gentil e dócil gatinho ocorreu há aproximadamente 10 mil anos atrás. Nesta mesma época os humanos adoptaram um estilo de vida agrícola. Portanto os primeiros gatos amigáveis possivelmente agiam como caçadores de ratos para áreas de armazenamento de cereais.

onca20.jpg

Stephen O’Brien, geneticista da National Cancer Institute in Maryland (USA), diz: “Pensamos que este foi o início de uma das mais interessantes experiências já feitas em história natural que foi a mudança de selvagem, predador feroz, para uma dócil ratoeira que decidiu mudar sua opinião sobre a humanidade.”

A diferença chave entre ambos é o comportamento. Gatos domésticos vivem em grupos e geralmente não tem medo de humanos. Com uma análise comportamental de um grupo grande e diverso de gatos seria praticamente impossível um grupo internacional de pesquisa voltar-se para a genética.

fotos-de-gatos-003.jpg

Carlos Driscoll do National Cancer Institute e seus colegas analisaram material genético de quase mil gatos, incluindo os domésticos e algumas subespécies selvagens. Eles descobriram que cada grupo dos gatos selvagens eram de subespécies do gato selvagem Felis silvestris . O DNA dos gatos domésticos mostraram-se compatíveis com o de uma subespécie selvagem chamada Felis silvestris lybica, que vive nos desertos remotos de Israel e Arábia Saudita.

Os resultados estão detalhados na versão online da revista científica Science.

Família felina

A linhagem que inclui o gato doméstico e seus parentes selvagens originou-se antes do que se pensava anteriormente, há aproximadamente 139 mil anos atrás. O cientistas especulam que os gatos tomaram, possivelmente, duas rotas diferentes desde o Oriente Médio. Um grupo foi seguido até o Egipto, enquanto o outro viajava da Mesopotâmia à Índia, seguindo para a China e muito depois chegaram ao Japão.

Com relação à data em que os gatos domésticos surgiram, Driscoll diz que não possui dados suficientes para fazer uma estimativa acertada. Para solucionar este quebra-cabeças os cientistas voltam-se para os históricos registos escritos e evidências arqueológicas. Por exemplo, pinturas em tumbas egípcias indicam que há 3.600 anos atrás os gatos domésticos viviam no Egipto, disse Driscoll. E recentemente no Chipre foi descoberto um cemitério onde haviam enterrados um gato e um humano ha´cerca de 9.500 anos atrás.

Um possível grande impulso para a solução deste problema, mencionou O’Brien, será dado quando o sequenciamento do genoma do felino estiver completo.

 

Caminhos Tortuosos que Levam à Sabedoria! Julho 6, 2007

Filed under: Geral — Raquel @ 11:45 am

Foram as ruas e ruelas da Universidade de Coimbra que pisei durante todo o meu percurso Universitário, foi nelas mesmas que torci os meus pesinhos vezes sem fim. 🙂 Hoje voltei lá, as mesmas ruas lá continuam, as pedras irregulares de novo à minha espera … Espero pisá-las por mais um novo percurso. São uns caminhos tortuosos que levam à Sabedoria, …à Sabedoria que procuro há 10 anos!

 

Publicidades… Junho 17, 2007

Filed under: Geral — Raquel @ 7:46 pm

Existe uma diversidade enorme de anúncios publicitários, uns muito pouco felizes e outros muito engraçados. A ideia geralmente não é fazer uma publicidade bonita que diga todas as características maravilhosas do produto que se está a vender, mas sim que se associe alguma imagem, um som ou até um odor a uma determinada marca de produto. Que nos fique na memória por algum motivo. Até há alguns que o conseguem pela negativa, mas que nos lembramos deles, lembramos.
Pois este ano acho que houve alguns com imaginação e com humor, por isso resolvi deixar aqui um que considero dos mais divertidos. Não é tal e qual a publicidade que passa nos nossos sistemas de comunicação, mas assim também passo a publicidade 😉 .

 

Treino Cerebral – Lumosity Junho 4, 2007

Filed under: Ciência — Raquel @ 1:20 am

Já foi referido neste quarto (talvez de forma indirecta) que o cérebro necessita de tanto exercício quanto as outras partes do corpo. Pois bem, o cérebro humano inicia o seu processo de degenerescência por vezes tão cedo quanto os 30 anos e o exercício (quase sempre) resolve tudo!
Para ajudar neste processo existe o Lumosity! É um site criado pela Lumos Labs (formada em 2005), que se propõe a apresentar formas de desenvolver as capacidades de raciocínio, memória e concentração.

Segundo a Lumos Labs, os utilizadores sujeitos ao processo presente no Lumosity apresentaram maior rapidez e clareza de pensamento, um aumento da capacidade de memorização, maior capacidade de reacção, melhorias no estado emocional e maior capacidade de concentração do desempenho de variadas tarefas.

lumosity.jpg

É certo que existem uma série de livros e exercícios para o mesmo fim, mas o que o Lumosity tem de novo, é a aproximação simples a algo que normalmente é verdadeira e absolutamente entediante. O Lumosity conseguiu reunir uma série de exercícios rápidos e engraçados que não são mais do que simples jogos, tornado-se divertido e saudável!

Para começar, mesmo sem serem utilizadores registados, poderão testar o serviço clicando em “Measure My Lumos IQ“. Serão levados a “jogar” uma série de 3 exercícios que centram a sua acção na concentração, memória e rapidez de raciocínio. Se ficarem a gostar têm sempre a oportunidade de efectuar o registo no site e a exploração de um programa mais completo de exercícios. O Lumosity será gratuito durante esta fase beta, por isso aproveitem! 😉

 

“Meme” Maio 31, 2007

Filed under: Geral — Raquel @ 7:47 pm

Há dias o Gustavo deixou-me um meme(1) na sua casa. Tenho andado a pensar no que escrever, não queria nada muito “cliché”, mas também não posso inventar muito tendo em conta a definição de meme. Visto toda a questão à volta dos DRM, da pirataria, e de uma forma geral, da liberdade que se “apregoa” por ai que se tem… “Somos livres, posso fazer o que muito bem me apetecer!” Convém lembrar:

“A nossa liberdade acaba onde começa a liberdade do outro!”

E como dizia Nietzsche, em “Humano, demasiado Humano“, Nenhum Homem Cruel é Cruel na Medi­da em que o Maltratado Julga.

(1) Um “meme” é um “gen ou gene cultural” que envolve algum conhecimento que passas a outros contemporâneos ou a teus descendentes. Os memes podem ser ideias ou partes de ideias, linguas sons, desenhos, capacidades, valores estéticos e morais, ou qualquer outra coisa que possa ser aprendida facilmente e transmitida enquanto unidade autónoma.Simplificando: é um comentário, uma frase, uma ideia que rapidamente é propagada pela Web, usualmente por meio de blogues.O neologismo “memes” foi criado por Richard Dawkins dada a sua semelhança fonética com o termo “genes”.

 

Mafalda – Quino Maio 30, 2007

Filed under: Curiosidades — Raquel @ 11:36 pm

Pode parecer estranho mas a banda desenhada que mais me marcou na infância, sim, na minha infância e início da adolescência, foi a Mafalda do Quino! A Mafalda tem 7 anos e vive em Buenos Aires. Ela odeia sopa e o racismo e preocupa-se com a política.
É a obra mais famosa de Quino, publicada entre os anos 1964 e 1973. Editada em tiras nos jornais, Mafalda questionava todos os problemas políticos, de gênero, e até científicos que afligiam sua alma infantil e, ao mesmo tempo, refletia o conflito que as pessoas da época enfrentavam, sobretudo com a progressiva mudança dos costumes e a já incipiente introdução da tecnologia no quotidiano.
A Mafalda não é somente um personagem de quadrinhos; talvez seja o personagem dos anos setenta na sociedade argentina.
Se, ao defini-la, usou-se o adjectivo “contestatária”, não foi por uma questão de uniformização em relação à moda do anticonformismo a qualquer preço: a Mafalda é realmente uma “heroína iracunda que rejeita o mundo assim como ele é […] reivindicando o seu direito de continuar sendo uma menina que não quer se responsabilizar por um universo adulterado pelos pais” (Humberto Eco).

mafalda_quino.gif

A trajetória da Mafalda ilustra-se através de três publicações: “Primera Plana”, “El Mundo” e “Siete Días Ilustrados”. Muito antes da despedida oficial da tira, em junho de 1973, Quino, e ninguém além dele, já tinha percebido que o repertório tinha se esgotado e que não podia insistir sem se repetir.

Ainda hoje não me canso de a ler, e “aconselho-a” a quem ainda não a leu, infelizmente não encontro o meu livro de “Toda a Mafalda” 😦 .

 

Biocomputadores Moleculares Maio 25, 2007

Filed under: Ciência — Raquel @ 10:47 pm

Nesta nova era cada vez mais se associa a informática à ciência… Pesquisadores das universidades de Princeton e Harvard, ambas nos Estados Unidos, deram um passo crucial rumo à construção de computadores biológicos, minúsculos dispositivos implantáveis que podem monitorar as atividades e o comportamento das células humanas.

celula.jpg

Resolvendo equações de lógica booleana no interior das células, esses autómatos moleculares irão detectar qualquer coisa, da presença de um gene mutante até à actividade dos genes no interior da célula. Os “inputs” dos biocomputadores são o RNA, as proteínas e os compostos químicos encontrados no citoplasma; as moléculas de “saída”, indicadoras da presença de sinais reveladoras de doenças são facilmente reconhecidas com equipamentos básicos de laboratório.
Os cálculos de um biocomputador, embora matematicamente simples, poderão permitir que os pesquisadores construam bio-sensores ou sistemas de aplicação de medicamentos capazes de seleccionar tipos específicos ou grupos de células no corpo humano. Autómatas moleculares poderão permitir aos médicos alvejar apenas células cancerosas ou doentes por meio de uma sofisticada integração dos sinais intracelulares representativos das doenças, sem alterar em nada as células sadias.

O artigo completo aqui.